Psicanálise da cultura imbricada à educação e emancipação: articulações desde o pensamento freudiano

Alexandre Costi Pandolfo, Manuela Sampaio Mattos

Resumo


Este ensaio desenvolve algumas articulações filosóficas acerca da relação entre o pensamento freudiano e a educação. É enfatizado o caráter inacabado da psicanálise como sendo capaz de perfazer a denúncia da condição de não liberdade dos seres humanos na sociedade não livre, estabelecendo aí um ponto de contato com a educação que se torna luta contra a barbárie e uma espécie de abertura ao porvir, uma fresta temporal para a autorreflexão crítica contra a mania de repetição nas sociedades ocidentais. Para isso, além do pensamento freudiano, também são trabalhados alguns pontos do pensamento de Theodor Adorno em “Educação após Auschwitz”.

Palavras-chave: Psicanálise. Educação. Barbárie. Instintos. Sociedade.

Psychoanalysis of culture imbricated to education and emancipation: critical articulations from freudian thought

Abstract: This essay develops some philosophical articulations on the relationship between the Freudian thought and education. The unfinished character of psychoanalysis is emphasized because it is an aspect that is capable to denounce the human beings’ condition of no freedom in the no free society, therefore establishing a point of contact with a type of education that turns out to be at the same time a fight against barbarism and a kind of openness to the future, a kind of slot in time for critical self-reflection against the mania of repetition in Western societies. Thus, besides the Freudian thought, some points of Theodor Adorno’s thought in “Education after Auschwitz” are also worked.

Keywords: Psychoanalysis. Education. Barbarism. Instincts. Society.


Palavras-chave


Psicanálise; Educação; Barbárie; Instintos; Sociedade

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. “Educação após Auschwitz”. In:______. Palavras e sinais: modelos críticos II. Trad. Maria Helena Ruschel. Petrópolis: Vozes, 1995.

ADORNO, Theodor. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BIRMAN, Joel. Freud e a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 34. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FREUD, Sigmund (1937). “Análise terminável e interminável”. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud : edição standard brasileira, Vol. XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, Sigmund (1937). “Construções em análise”. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud : edição standard brasileira, Vol. XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, Sigmund. Die endliche und die unendliche Analyse. 1937. Disponível em: .

FREUD, Sigmund. Konstruktionen in der Analyse. 1937. Disponível em: .

FREUD, Sigmund. “O inconsciente” (1915). In FREUD, S. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914/1916). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 107.

FREUD, Sigmund. “Por que a guerra?” (carta a Einstein, 1932). In FREUD, S. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010b. p. 421.

FREUD, Sigmund. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SÉDAT, J. “Psicanalista” (verbete). In: KAUFMANN, Pierre (Ed.). Dicionário enciclopédico de psicanálise: o legado de Freud e Lacan. Trad. Vera Ribeiro, Maria Luiza X. de A. Borges; consultoria, Marco Antonio Coutinho Jorge. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Licença Creative Commons
Instituto Superior de Filosofia Berthier (IFIBE) | Rua Senador Pinheiro, 350 - Bairro Vila Rodrigues - CEP 99070-220 - Passo Fundo, Rio Grande do Sul - Brasil | Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2526-5709